DIÁRIO DA COPA: Jogo 2

Alegria de pobre dura pouco… Tudo certo para assistir Brasil X Costa do Marfim em Laranjeiras, com samba de raíz do grupo Os Caetanos e eis que mi amore resolve cair de cama com febre, tosses e tudo o que não tinha direito. Conclusão:  assisti em casa mesmo. Não diminuiu a minha animação, mas acabou com a diversão [:(]

Divertido deve ter ficado para os vizinhos ver uma louca aos berros integralmente paramentada a trocar de badanas quando o gol não saía… Como é óbvio nessas questões supersticiosas, a bandana correta era a verde e amarela…

Não sei porque insisti com a branca…

Minha dúvida é: Devo usar a azul?

Melhor não… Azul é cor da frança e isso é mau agouro e da Argentina também. Quem merece as caras e bocas de Maradona!!!

Diário da Copa Jogo 1

No primeiro dia da Copa de 2010 decidi que em 2014 não estarei no Brasil. É que desenvolvi um gosto imenso por assistir o campeonato internacional pela TV! Neste Brasil e Coréia, de todo o jogo o que mais gostei foi o show que o antecedeu no local que escolhi para assisti-lo. Gostei também do resultado, mas não tanto quanto do show…  Até porque, para quem esperava 3×0, levar um 2×1 para casa  não chega a ser decepcionante, mas é bem frustrante.

Eu tenho um transtorno mental, que me faz pensar que entendo de futebol a cada 4 anos. Entendendo ou não, seja o meu transtorno verdadeiro ou impreso nas minhas ligações cerebrais por osmose, não encontrei nenhum entendedor de futebol diário que me explicasse porque Elano saiu, sendo ele o jogador que com mais objetividade jogava quando todos pareciam estar atropelados pela síndrome do nervosismo causado pela altura do salto que insiste em configurar nas chuteiras brasileiras…

Mas o motivo da minha viagem agendada para daqui a 4 anos deve-se simplesmente ao fato que não pretendo dormir na porta de nenhum estádio,  nem ouvir o jogo via rádio confortavelmente instalada num banco de táxi usufruindo do ar-coandicionado e do muxoxo do motorista.  Também não pretendo abrigar no meu pequeno apê os 1.563 primos, parentes, tios e outros parentes distantes residentes em outros estados  e bairros afastados que passaram a frequentar minha  rede social on line desde que a o Rio de Janeiro obteve o direito de sediar a competição.

Ok, se terei que assitir pela TV que seja longe de longe, ao longe como sempre foi desde 1950!

No dia 15, estréia da seleção brasileira, todas as lojas do Centro fecharam, alguns escritórios também o que significou uma remessa de povo ansioso, tenso, apressado jogado pelas avenidas, ruas e ruelas. A central do Brasil ferveu, os pontos de ônibus como que num passe de mágica se superpovoou e os coletivos em número reduzido sabe-se lá porque,  deram menos conta do que o habitual. Contaram-me que  o metrô deu uma parada. Quem estava de carro enouqueceu ao encontrar diversas ruas lindamente decoradas, coloridas e fechadas. Foi um nó, literalmente no trânsito.

Marquei com amigos no Teatro Rival BR, fui de moto e só por isso cheguei a tempo, coisas que os amigos de carro não conseguiram, mas não me perguntem  o que tive que passar para que isso acontecesse… Pensando que era uma terça-feira, dia de trânsito normalmente transtornado, somente com a população local, não precisei ser nenhum gênio para concluir que o melhor lugar para estar em junho de 2010 é o mais longe possível desse amado, idolatrado,  país!

Como não sou nenhuma velha rabugenta e aceito “na boa” as imposições da cultura local e melhor, gosto delas (essas coisas tipo carnaval e futebol)  espero encontrar uma boa trasmissão. Levarei na bagagem todo o meu guarda roupa verde-amarelo e azul, com direito à camisa retrô do Nílton Santos.

Agora é escolher o país e trabalhar para que a viagem tenha o máximo de mordomia possível.

PAISAGENS

Minha vida anda bombando! Não tem como viver sem novidades no Rio de Janeiro. Sim, às vezes não são positivas, mas também não são novidades, são apenas notícias… Mas a paisagem é conforme o local para onde olhamos, de acordo com os olhos que observamos e será exatamente correspondente ao lado que escolhermos estar… Um dia sem perceber, decidi que não ficaria à janela e foi assim que entrei para os cenários. Como parte de qualquer paisagem ou contexto, recebo crítica como se fosse eu a pincelada errada do artista ou a imperfeição da luz que o fotógrafo deixou passar. Para esses críticos nada respondo, apenas penso que se estivessem compondo a paisagem, cuidando dos jardins, escalando as montanhas, nadando em altomar, não teriam olhos para os defeitos, pois que são exatamente eles a oportunidade de trasnformar as coisas e os visuais. Eu penso isso e lamento por estes, seres de janelas observadores da existência alheia e torço para que realmente estejam fazendo jus à dádiva que é viver.

Publicado em EU VI. 2 Comments »

PESSOA ESQUISITA

Gente será que o nosso coração aguenta? Numa única noite:

10 (isso mesmo dez!) PMs espancam um motoboy  a ponto de um dos cassetetes se quebrarem. Requinte da crueldade: “Aí, seu fulano o seu cassetete está torto”. “É, quebrou”.

Mulher (uma procuradora aposentada) maltrata um bebê de 2 anos que planejava adotar, isso depois de ter tentado por anos adotar uma criança; não satisfeita agredia empregados e porteiros.

Gerente de banco avisava aos ladrões quais clientes sacavam quantias altas do banco em que trabalhava.

E o padre acusado de pedofilia foi preso após exibição de vídeo em que aparecia fazendo sexo com um menor.

Não vou perguntar onde vai parar o mundo porque não vai parar. A grande questão é como ligar a TV na hora dos telejornais… A resposta mais simples seria: apertando o botão, sim eu sei. Todas essas notícias são 100% nacionais o que dão sensação de que aqualquer momento a polícia vai parar na porta do prédio onde eu moro e levar um vizinho meu qualquer! Isso naquele manjado otimismo de quem se engana imaginando que tragédias só acontecem com os outros.

O fato é que depois dessa noite  não esperarei mais por notícias boas e quem sabe, alguma seja noticiada.  Quem sabe, faço melhor, ligo direto em outro horário! Talvez seja melhor  saber das notícias, pela internet, pelo menos vou poder escolher o meu momento mais propicio a saber das insanidades da minha espécie “humana”.

Eu sei que o comandante desses PMs (?) escreveu uma carta linda e de emocionar à mãe do motoboy morto. Eu vi que a procuradora está presa, o padre pedófilo de oitenta e tantos anos também, assim como o gerente do banco, parabéns ao comandante que se retratou e a polícia que prendeu essas “pessoas”, mas porque será que isso não me deixa nem um pouquinho melhor?

Amanhã é dia do trabalhador, feriado mundial e aqui nessa terrinha “abençoada por Deus e bonita por natureza” acontecerão muitos shows gratuitos para que o trabalhador se divirta e esqueça. Mas porque será que isso não me deixa nem um pouquinho melhor?

É, eu devo ser uma pessoa muito esquisita mesmo…

UMA OPINIÃO

Este slideshow necessita de JavaScript.

Sou carioca da casca, clara e gema – sem bairrismo – todos nos orgulhamos (e se não, deveríamos) das nossas origens. Durante anos morei em Niterói em diversos bairros, alguns mais d euma vez, na Região Oceânica, no Centro, no Ingá… Endereços que foram da nobreza à pobreza e vice-e-versa, conforme a minha movimentação de vida .
Niterói torna-se um município de acesso muito mais fácil que muitos bairros da própria cidade do Rio de Janeiro. Assim, histórias ridículas e preconceituosas como ser Niterói cidade dormitório do Rio de Janeiro, ficam no terreno das anedotas e se levadas a sério, restritas ficam ao campo da ignorância.
São Gonçalo é outro município discriminado, a ponto de alguns dos seus moradores dizerem que vivem em Niterói e quando questionados em qual bairro, sem graça respondem: São Gonçalo…
É como se as pessoas vissem desvantagem em determinados lugares e logicamente isso é ressonância do preconceito e do receio de ser vitima de preconceito social.
É assim em relação à Baixada Fluminense também. É assim em relação ao outros estados do Brasil. O que não paramos para pensar é que a tragédia, o infortúnio, o caos nos nivela a todos ao mais dolorido patamar. De todos esses elementos o mais nocivo tem nome e sobrenome: política brasileira- Políticos brasileiros e, estes à forma de um tumor maligno tem suas ramificações: falta de cultura, de educação, de escolaridade e aponta da seta deste círculo vicioso: incapacidade, incompetência eleitoral.
Do povo brasileiro, talvez seja o carioca que pior vota. A ex-capital do governo federal tornou-se uma miragem: a beleza e progresso diante daqueles que morreram na ignorância e na sede de chegar em algum lugar decente pra se viver. O Brasil me parece o filho mimado da América Latina: Aquele que tendo tudo pra crescer, infantiliza-se pra sempre. Culpa da política ou nossa que permitimos que ela continue sendo o que é?

Prefeito compara tragédia em Niterói a tsunami na Ásia

No fim da entrevista, cometeu um ato falho. “Fui eleito quatro vezes, com votações consagradoras. Existe realmente uma relação de amor entre mim e a prefeitura”, disse Silveira, trocando em seguida a palavra prefeitura por “a cidade, a população de Niterói”.

Em outra matéria o prefeito diz que [b] “sabia vagamente sobre o risco que o local oferecia”[/b]. Não vou postar o link aqui, seria cansativo e pode causar mais náuseas aos integrantes dessa comunidade. Mas registre-se que no local foi feito um favela-bairro amplamente divulgado “para o bem do povo”

Todos os links são do globo.com porque é o campeão de acessos e é a TV que maioria esmagadora da população assiste. No entanto, parece que grande parte da população não tem articulação para ligar 6 a 3+3…
Eu não quero que as pessoas pensem como eu, eu gostaria apenas que elas pensassem…
No dia 31/12/2009 parte de Angra veio abaixo soterrando, desabrigando e matando ricos, turistas, pobres, pescadores e moradores, nublando o fim de ano dos mais sensíveis. Onde estão essas pessoas (vítimas)? Será que ainda recebem donativos e/ou apoio institucional?
Onde estarão os sobreviventes dessas últimas enchentes daqui a 3 meses?
Não adianta fazer doações num momento de comoção e sentir-se bem por isso até a próxima tragédia. Não é esse o preço do ticket to ride do céu.
Também não adianta o prefeito esquivar o crânio à carapula e vestir feiçoões compungidas e culpar os fênomenos naturais que não seriam neste caso, tão catastróficos num morro desabitado e este morro repleto de habitações, ruas plantadas sobre o lixo asfaltadas pela prefeitura que, ignorando os avisos substabelecu o terreno inadequado. Ou se simplesmente não faz qualquer avaliação geológica, geográfica antes de executar uma obra pública de que chamaremos isso senão de no mínimo descaso, desprezo ou no mínimo incompetência. Nenhuma das opções eximem a responsabilidade.

Deveríamos ter uma listagem de todos os políticos e afins que contribuem para esse tipo de acontecimento, que essa lista fosse divulgada da mesma forma que é feito com os medicamentos nocivos, com as doenças, como os lembretes nos maços de cigarros: Esses políticos fazem mal ao povo, à saúde, ao planeta…
#prontodesabafei
#obrigada!

Rio de Janeiro: São os Políticos “cafetões”?


Sim, estou me atrasando, estou no Centro, preciso chegar à Zona Sul antes da chuva que implantou nas pessoas o hábito de fechar seus escritórios ao primeiro sinal de trovoadas. A cidade parece insistir em permanecer molhada. A qualquer manifestação cinzenta das nuvens, é sinal de neura e pânico, quem ainda não saiu de casa, em casa fica. Quem está na rua se desespera.

As autoridades culpam a população de baixa renda, quase que num tati-bi-tati de “morreram porque quiseram”. Afinal, as favelas deixaram de existir. Nossas autoridades acabaram com todas as favelas do Rio de Janeiro, quiçá do Brasil, ao instituirem o substantivo-substituto: CO-MU-NI-DA-DE. Ora bolas! Já foi dito pra esse povo que eles não deveriam morar morro acima, logo, se insistem, estão sabidamente se pondo risco! Por outro lado, o caminho dos morros são pelas autoridades conhecidos e para lá eles se dirigem a cada 4 anos… Se neste período a cidade enche, a favela desaba e pessoas morrem, a culpa é do povo que entope ruas e rios com seus lixos. Se os barracos caem a culpa é do povo que os constroem à moda cacete.

O povo é burro e desinformado, sentindo-se plenamente feliz com suas parabólicas, tevês a gato clandestinas e acessos piratas à internet, pífios patrimônios constantemente em risco… Tudo isso porque o povo não tem educação!

 O raciocínio simples seria que o povo não é educado porque é mal escolarizado. É mal escolarizado  porque as escolas são insuficientes e deficientes. As escolas, ineficientes e deficientes carecem de professores que por sua vez são mal pagos, maltratados, desrespeitados, desestimulados e agora, na mais recente geração, despreparados.

A grande pergunta é,  de quem é a culpa por toda essa deficiência educacional que culmina na ignorância social que alimenta a arrogância política?

Leio nos jornais que o Rio de Janeiro passa pela tragédia dos desabamentos porque tem uma cadeia de montanhas rochosas, cobertas por uma fina camada de terra que não é suficiente para sustentar as péssimas estruturas de péssimas moradias ali plantadas. Ok! Então inundações e desmoramentos são privilégios cariocas? hanhan…

Li num twitter que o povo tem culpa da calamidade chuvosa, pois o amigo twitteiro viu uma geladeira boiando num canal… Será que a geladeira foi jogada ao rio ou teria a enchente no seu terceiro dia, subtraído a geladeira de alguma moradia?

São questões extremamente difícieis de se responder, parece a propaganda antiga do biscoito. O que não pode deixar de ser lembradoé  que a bela Cidade Maravilhosa com suas formas sinuosas e relevos femininos encontra-se maquiada ao longo dos anos, mas seus trajes íntimos estão em péssimas condições, o que não inibe seus aproveitadores de a sexualizarem assim mesmo,  extorqui-la  mesmo assim, à feição dos antigos cafetões.

A cidade vem ao longo dos anos perdendo prestígio, perdendo incentivos, perdendo moral e credibilidade, sendo sucateada e difamada. O grande erro talvez, seja sim do povo, que sem elementos culturais e educacionais mantem-se no erro do voto, na alegria de viver, na passividade de sobreviver…

Que me desculpem os sensíveis e bem nascidos, mas realmente a metáfora que me ocorre é que o Rio de Janeiro, ex-estado-da-Guanabara, ex-sede-do-governo-federal, ex-capital-do-Brasil-Colônia, ex-casa-de-banho-de D.João VI, ex-sede-das-competições-automobilisticas, atual-coadjuvante-do-carnaval, é uma prostituta que  se recusa a enfeiar e enquanto existir o pensamento machista-elitista-aproveitador-cafetônico dos nossos políticos e autoridades, nada vai mudar. Irá de doença em doença, a cada mau trato sofrido, dizimando-se, definhando-se, incapaz de abandonar seus algozes. 
#prontofalei!

Só mais uma sobre Dourado

Agora que o Dourado está milionário, os moradores da Comunidade do Terreirão vão perder um vizinho. Cara de mal, sorriso debochado,  comentários sarcásticos, jeito seco…

Calvície evoluindo, cabelos maltratados, tragadas ansiosas em cigarros sofredores, um jeito que transitava entre dureza e timidez,  olhar ora agressivo ora acuado…

Nunca consegui ver no Dourado homofobia, como também não via nele um favelado. Isso até surpreendeu-me. Deveria ter surpreendido aos outros, mas não houve comentários, afinal a palavra favela está proscrita e incorreta socialmente.

Aos que me perguntaram:Não sou da Máfia Dourada.

Dourado está pra homofobia assim como a suástica está pra hitler…

Depois que se apossaram da imagem,  complicado explicar que uma coisa existia antes da outra. Repito que penso que: Dourado não levanta a bandeira da homofobia, porém os homofóbicos decidiram estampá-lo na sua bandeira. Eu sei que ele sobreviverá a isso!

Espero mais que nunca que a nossa afinidade continue, pois ele agora é vencedor, né…