PESSOA ESQUISITA

Gente será que o nosso coração aguenta? Numa única noite:

10 (isso mesmo dez!) PMs espancam um motoboy  a ponto de um dos cassetetes se quebrarem. Requinte da crueldade: “Aí, seu fulano o seu cassetete está torto”. “É, quebrou”.

Mulher (uma procuradora aposentada) maltrata um bebê de 2 anos que planejava adotar, isso depois de ter tentado por anos adotar uma criança; não satisfeita agredia empregados e porteiros.

Gerente de banco avisava aos ladrões quais clientes sacavam quantias altas do banco em que trabalhava.

E o padre acusado de pedofilia foi preso após exibição de vídeo em que aparecia fazendo sexo com um menor.

Não vou perguntar onde vai parar o mundo porque não vai parar. A grande questão é como ligar a TV na hora dos telejornais… A resposta mais simples seria: apertando o botão, sim eu sei. Todas essas notícias são 100% nacionais o que dão sensação de que aqualquer momento a polícia vai parar na porta do prédio onde eu moro e levar um vizinho meu qualquer! Isso naquele manjado otimismo de quem se engana imaginando que tragédias só acontecem com os outros.

O fato é que depois dessa noite  não esperarei mais por notícias boas e quem sabe, alguma seja noticiada.  Quem sabe, faço melhor, ligo direto em outro horário! Talvez seja melhor  saber das notícias, pela internet, pelo menos vou poder escolher o meu momento mais propicio a saber das insanidades da minha espécie “humana”.

Eu sei que o comandante desses PMs (?) escreveu uma carta linda e de emocionar à mãe do motoboy morto. Eu vi que a procuradora está presa, o padre pedófilo de oitenta e tantos anos também, assim como o gerente do banco, parabéns ao comandante que se retratou e a polícia que prendeu essas “pessoas”, mas porque será que isso não me deixa nem um pouquinho melhor?

Amanhã é dia do trabalhador, feriado mundial e aqui nessa terrinha “abençoada por Deus e bonita por natureza” acontecerão muitos shows gratuitos para que o trabalhador se divirta e esqueça. Mas porque será que isso não me deixa nem um pouquinho melhor?

É, eu devo ser uma pessoa muito esquisita mesmo…

UMA OPINIÃO

Este slideshow necessita de JavaScript.

Sou carioca da casca, clara e gema – sem bairrismo – todos nos orgulhamos (e se não, deveríamos) das nossas origens. Durante anos morei em Niterói em diversos bairros, alguns mais d euma vez, na Região Oceânica, no Centro, no Ingá… Endereços que foram da nobreza à pobreza e vice-e-versa, conforme a minha movimentação de vida .
Niterói torna-se um município de acesso muito mais fácil que muitos bairros da própria cidade do Rio de Janeiro. Assim, histórias ridículas e preconceituosas como ser Niterói cidade dormitório do Rio de Janeiro, ficam no terreno das anedotas e se levadas a sério, restritas ficam ao campo da ignorância.
São Gonçalo é outro município discriminado, a ponto de alguns dos seus moradores dizerem que vivem em Niterói e quando questionados em qual bairro, sem graça respondem: São Gonçalo…
É como se as pessoas vissem desvantagem em determinados lugares e logicamente isso é ressonância do preconceito e do receio de ser vitima de preconceito social.
É assim em relação à Baixada Fluminense também. É assim em relação ao outros estados do Brasil. O que não paramos para pensar é que a tragédia, o infortúnio, o caos nos nivela a todos ao mais dolorido patamar. De todos esses elementos o mais nocivo tem nome e sobrenome: política brasileira- Políticos brasileiros e, estes à forma de um tumor maligno tem suas ramificações: falta de cultura, de educação, de escolaridade e aponta da seta deste círculo vicioso: incapacidade, incompetência eleitoral.
Do povo brasileiro, talvez seja o carioca que pior vota. A ex-capital do governo federal tornou-se uma miragem: a beleza e progresso diante daqueles que morreram na ignorância e na sede de chegar em algum lugar decente pra se viver. O Brasil me parece o filho mimado da América Latina: Aquele que tendo tudo pra crescer, infantiliza-se pra sempre. Culpa da política ou nossa que permitimos que ela continue sendo o que é?

Prefeito compara tragédia em Niterói a tsunami na Ásia

No fim da entrevista, cometeu um ato falho. “Fui eleito quatro vezes, com votações consagradoras. Existe realmente uma relação de amor entre mim e a prefeitura”, disse Silveira, trocando em seguida a palavra prefeitura por “a cidade, a população de Niterói”.

Em outra matéria o prefeito diz que [b] “sabia vagamente sobre o risco que o local oferecia”[/b]. Não vou postar o link aqui, seria cansativo e pode causar mais náuseas aos integrantes dessa comunidade. Mas registre-se que no local foi feito um favela-bairro amplamente divulgado “para o bem do povo”

Todos os links são do globo.com porque é o campeão de acessos e é a TV que maioria esmagadora da população assiste. No entanto, parece que grande parte da população não tem articulação para ligar 6 a 3+3…
Eu não quero que as pessoas pensem como eu, eu gostaria apenas que elas pensassem…
No dia 31/12/2009 parte de Angra veio abaixo soterrando, desabrigando e matando ricos, turistas, pobres, pescadores e moradores, nublando o fim de ano dos mais sensíveis. Onde estão essas pessoas (vítimas)? Será que ainda recebem donativos e/ou apoio institucional?
Onde estarão os sobreviventes dessas últimas enchentes daqui a 3 meses?
Não adianta fazer doações num momento de comoção e sentir-se bem por isso até a próxima tragédia. Não é esse o preço do ticket to ride do céu.
Também não adianta o prefeito esquivar o crânio à carapula e vestir feiçoões compungidas e culpar os fênomenos naturais que não seriam neste caso, tão catastróficos num morro desabitado e este morro repleto de habitações, ruas plantadas sobre o lixo asfaltadas pela prefeitura que, ignorando os avisos substabelecu o terreno inadequado. Ou se simplesmente não faz qualquer avaliação geológica, geográfica antes de executar uma obra pública de que chamaremos isso senão de no mínimo descaso, desprezo ou no mínimo incompetência. Nenhuma das opções eximem a responsabilidade.

Deveríamos ter uma listagem de todos os políticos e afins que contribuem para esse tipo de acontecimento, que essa lista fosse divulgada da mesma forma que é feito com os medicamentos nocivos, com as doenças, como os lembretes nos maços de cigarros: Esses políticos fazem mal ao povo, à saúde, ao planeta…
#prontodesabafei
#obrigada!